domingo, 8 de outubro de 2017

PARAENSES COMEMORAM COM MUITA FÉ O CÍRIO DE NAZARÉ

O Círio de Nazaré é para os paraenses uma grande festa, uma importante reunião de pessoas. As famílias marcam e se encontram no Círio e reúnem as famílias, como se fosse um Natal, mais, não há como comparar com a festa de final de ano, o aspecto religioso e de muita fé é visto na procissão do Círio, realizada na manhã deste domingo (8), em Belém. Tudo começa cedinho, às 5h da manhã os sinos tocam e uma multidão comparece para a missa na Praça Caetano Brandão, em frente a Catedral Metropolitana, o imenso lugar fica pequeno para tanta gente.

Após a celebração presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira, com cerca de 150 sacerdotes, além de co-celebrantes, participaram da celebração e a Schola Cantorum cantou durante a missa, como já é tradição, tem início a romaria que vai percorrer 3,6 quilômetros de trajeto, até chegar na Praça Santuário de Nazaré.
A Imagem de Nossa Senhora de Nazaré saiu da frente da Catedral de Belém, na Praça Frei Caetano Brandão e seguiu pela Praça do Relógio, Avenida Portugal, Boulevard Castilhos França, Avenida Presidente Vargas e Avenida Nazaré até a Praça Santuário. Um dos principais símbolos do Círio é a corda, além do simbolismo, o objetivo da corda é trazer maior fluidez no percurso da procissão, já que ela é atrelada a Berlinda e puxada pelos romeiros. De forma antecipada, a corda da quinta estação foi cortada pelos romeiros quando a procissão entrou na Avenida Nazaré, por volta de 9h10.

 

Sem queima de fogos

Após 103 anos de tradição, não houve a queima de fogos na Praça dos Estivadores. A proibição da homenagem foi anunciada poucas semanas antes do Círio pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup).
Segundo o órgão, por medidas de segurança, a queima de fogos deveria ser realizada em uma balsa, na Baía do Guajará. Mas os estivadores não concordaram com a alternativa e criticaram a diretoria da festa de Nazaré por não tê-los consultado.

“Nós começamos a arrecadar o dinheiro de um ano para o outro e 20 dias antes do Círio eles vêm nos informar que não vamos poder realizar. O que vamos fazer com esses R$ 52 mil em dinheiro investidos que foram agora jogados no lixo?”, critica presidente do Sindicato dos Estivadores do Estado do Pará, Moisés Sousa.



História

A primeira procissão saiu na tarde do dia 8 de setembro de 1793. O Círio passou a ser realizado pela manhã a partir de 1854, devido as fortes chuvas que aconteciam à tarde. Desde 1882, o bispo Dom Macedo Costa, de comum acordo com o Presidente da Província, Dr. Justino Ferreira Carneiro, resolveu que o ponto de partida seria a Catedral, o que acontece até hoje. O segundo domingo de outubro ficou definido como o dia de realização da procissão do Círio em 1901.



Com base no texto e imagem do G1: https://g1.globo.com/pa/para/cirio-de-nazare/2017/noticia/romeiros-saem-as-ruas-de-belem-para-a-grande-procissao-do-cirio-de-nazare.ghtml

Imprimir Artigos

Print Friendly and PDF